Vicky Cristina Barcelona

Vicky Cristina Barcelona - Pôster

Vicky Cristina Barcelona - Pôster

“Por que tanto perde-se, Tanto buscar-se, Sem encontra-se?”.

Continuando a filmar na Europa, dessa vez parece que Woody Allen encontrou o ponto certo para seu novo filme, Vicky Cristina Barcelona, que havia perdido nos dois filmes anteriores, Scoop – O Grande Furo e O Sonho de Cassandra.

Mais uma vez explorando o universo dos relacionamentos complexos, Allen traz a visão de pessoas que não conseguem viver separadas, mas que tem relacionamentos impossiveis de se concretizar, o filme conta a história de duas amigas Vicky vivida por Rebecca Hall e Cristina vivida pela nova musa do cineasta Scarlett Johansson, que fazem uma viagem a Espanha; uma para conhecer a cultura catalã e aprofundar seus estudos de mestrado, enquanto a outra vai como uma maneira de reencontrar alguma coisa perdida em si própria.

Enquanto Vicky é uma mulher centrada e pratica, Cristina o é o seu oposto, artista impulsiva e que coleciona relacionamentos fracassados, percorrem lugares exóticos da Espanha em companhia de Antonio Javier Bardem um pintor, altamente canastrão; acredito que pelo próprio papel e possivelmente uma exigência do diretor.

As duas se deixam atrair pelo charme do espanhol e caem nos seus encantos, na verdade não se sabe por qual das duas o artista está mais encantado, até que aperece na história sua ex esposa, Maria Elena, vivida grandiosamente por Penélope Cruz (que parece ter recuperado o fôlego como atriz como já mostrado em Volver de Pedro Almodóvar) uma mulher linda neurótica e altamente criativa que por varias vezes cita que seu trabalho foi roubado pelo ex marido, que com o passar do tempo percebemos o quanto os dois ainda são apaixonados.

 Com uma maneira de dirigir que relembra seus filmes antigos e melhores, Woody Allen expõe aos espectadores comuns, relacionamentos complexos aos quais não estamos acostumados a ver, surgindo então às observações espirituosas, o humor e as idiossincrasias tão caras ao diretor. Enquanto um personagem se questiona se o amor autêntico é o que dá sentido à vida, outro pergunta com afetação a um casal de amigos se eles têm idéia de quanto custa um tapete oriental. E nessa questão Vicky Cristina Barcelona ganha ao publico jogando na tela e testando se nós pessoas que nos achamos normais aceitaríamos essas situações para uma convivência tranqüila com as pessoas as quais gostamos.

Há de se convir que o filme seja muito charmoso pelas suas locações e sua fotografia que, diga-se de passagem, são muito belas devido ao próprio ar europeu nas filmagens, mas com o toque do cinema americano, e a frase “Habla inglês, Maria Elena!” pronunciada varias vezes por Antonio tem potencial para virar um clássico nos filmes de Woody Allen, um dos diretores mais produtivos da atualidade.

 

Anúncios

~ por Zach em março 22, 2009.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: